RAÇAS DE CÃES MASTIM DOS PIRENEUS
Pyrenean Mastiff 
Mâtin des Pyrénées

RAÇAS DE CÃES - MASTIM DOS PIRENÉUS

ORIGEM
Autóctone dos Pireneus Meridionais. Também é conhecido, pelos nomes de Mastim de Navarra e Mastim Leonês.
Não deve ser confundido com o Cão da Montanha dos Pireneus, que é uma raça francesa.

A história do Mastim dos Pireneus está intimamente ligada com os anais do Reino de Aragão, um dos reinos cristãos que se formaram após a Reconquista, naquela que viria ser, muitos séculos depois, a Espanha.

Estes cães desenvolveram-se nas montanhosas regiões a sul dos Pireneus, onde foram usados para proteger os rebanhos dos ataques dos lobos e dos ursos, por vezes sob condições climatéricas adversas. Era costume colocar-lhes uma proteção ao redor do pescoço (um colar chamado carlanca) para evitar que fossem mordidos por estes animais selvagens. No entanto, com o passar dos séculos, a ameaça destes pedradores foi-se diluindo e, com ela, a necessidade de suportar cães com este porte. Após a Guerra Civil Espanhola, instalou-se um período de evidente crise econômica que lançou esta ancestral herança genética para o limiar da extinção. Contudo, esta ameaça foi travada nos anos 70, por um conjunto de admiradores destes cães.
Em 1977, foi fundado o Clube Do Mastim dos Pirineus de Espanha, por Rafael Malo Alcrudo, Daniel Llorens Guerrero e Jaime Graus Morales, que se afiliou na Real Sociedad Canina de España. Com a sua fundação, inaugurou-se uma nova fase na história desta raça, que passou a ser dotada com um programa de criação moderno. Desde então, têm despontando por todo o mundo clubes e Associações que protegem e fomentam a criação deste majestoso cão. São exemplo disso a Pyrenean Mastiff Club Of America, fundada em 1996. A sua exportação também é significativa e compreende países como a Noruega, Finlândia, Suíça, Itália e França.
ASPECTO GERAL
Cão de grande porte, acima da média e de proporções medianas. Harmonioso, enfaticamente forte e musculoso. Ossatura firme. Pelagem de comprimento moderado. A despeito do seu porte não deve dar a impressão de ser pesado ou indolente.

REGIÃO CRANIANA
Cabeça: grande, forte, moderadamente longa. A proporção crânio-focinho é 5:4. As linhas superiores do crânio e do focinho são ligeiramente divergentes até quase paralelas. Visto de cima o crânio e o focinho são longos e nivelados sem uma diferença marcante entre a largura da raiz do focinho e a largura nas têmporas. Visto de perfil a cabeça deve ser profunda sem ser protuberante.
Crânio: largo, forte de perfil ligeiramente convexo. A largura do crânio é igual ou ligeiramente maior que o comprimento.
O osso occipital é pronunciado.
Stop: suave, apenas marcado, mas visível.

RAÇAS DE CÃES - MASTIM DOS PIRENÉUS
REGIÃO FACIAL
Olhos: pequenos, amendoados, de cor castanha. Preferencialmente escuros. Tem uma expressão alerta, nobre, simpática e inteligente, mas pode ser extraordinariamente duro contra um oponente. Pálpebras com contorno bem pigmentado de preto. Quando o cão está alerta, as pálpebras estão preferencialmente bem ajustadas. Em repouso, um leve ectrópio da pálpebra inferior, que revela uma pequena faixa da conjuntiva é típico na raça.
Focinho: visto de perfil, a cana nasal deve ser reta. Visto de cima, o focinho é ligeiramente triangular, afilando muito suavemente da inserção à ponta da trufa, sem contudo ser pontiagudo.
Trufa: preta, úmida, grande e larga.
Lábios: o superior deve cobrir o inferior sem qualquer indício de frouxidão. O inferior forma uma comissura labial marcada. A mucosa deve ser preta.

Bochecha: padrão não comenta
Mordedura: em tesoura; dentes brancos, fortes e saudáveis. Caninos grandes, longos e pontiagudos, bem encaixados entre si, de maneira a habilitá-lo a caçar qualquer presa. Molares grandes e fortes. Incisivos mais para pequenos. Pré-molares devem estar presentes. Gengivas pretas.
Orelhas: de tamanho médio, triangulares, portadas pendentes. Inseridas acima da linha dos olhos. Em repouso, portadas pendentes rente às faces. Quando o cão está em alerta, afasta-se claramente das faces. Um terço da face distal posterior deve ser ligeiramente ereta. As orelhas não podem ser operadas.

PESCOÇO
De aspecto de cone truncado, largo, forte, musculoso e flexível. Pele grossa e ligeiramente frouxa. Uma inconfundível barbela dupla, bem formada sem ser exagerada.

TRONCO
Linha superior: reta. Permanecendo horizontal tanto em stay quanto em movimento.
Cernelha: bem pronunciada.
Dorso: forte e musculado.
Peito: largo e profundo, musculado e poderoso. A ponta do esterno é protuberante.
Costelas: largamente espaçadas com a caixa torácica arredondada.
Ventre: moderadamente esgalgado.
Lombo: virilha profunda e flancos muito largos.
Garupa: larga e forte, formando um ângulo de 45º com a horizontal. A altura medida na garupa é igual à altura na cernelha.
CAUDA - inserida à meia altura. Grossa na raiz, forte e flexível. A pelagem na cauda é claramente longa, macia e forma uma linda plumagem. Em repouso portada pendente e alcançando o nível dos jarretes. O terço distal é sempre ligeiramente encurvado. Em movimento e quando o cão está em alerta, é portada em sabre com um gancho definido na ponta, mas sem repousar no dorso.

EXTREMIDADES ANTERIORES
Vistos de frente, os membros são absolutamente verticais, retos e paralelos. Músculos e tendões claramente perceptíveis. Boa ossatura.
Ombros: bem musculados. Escápula inclinada, mais longa que o antebraço.
Braços: ossatura robusta, reta e muito forte.
Cotovelos: padrão não comenta
Antebraços: o comprimento é 3 vezes maior que o metacarpo.
Carpos: padrão não comenta
Metacarpos: fortes. Visto de perfil, ligeiramente inclinado, praticamente em continuação com o antebraço.
Patas: tipo de gato. Dígitos compactos com ossos fortes e bem arqueados. Unhas e almofadas fortes e robustas. Palmípede desenvolvida e peluda.

EXTREMIDADES POSTERIORES
Membros poderosos, musculados. Angulações adequadas. Vistos por trás e de perfil são verticais. Devem ter habilidade para prover propulsão com elegância.
Coxas: fortes e musculadas. Angulação coxofemoral aproximadamente 100º .
Joelhos: angulação aproximadamente 120º.
Pernas: longas, bem musculadas e de ossatura poderosa.
Metatarsos: bem definidos com o tendão de aquiles bem evidenciado. Ergôs, tanto simples quanto duplos, podem ou não estar presentes. A remoção é permitida.
Jarretes: retos e verticais. Angulação aproximadamente 130º
Patas: tipo de gato um pouco mais ovaladas. Ligeiramente mais longas que as anteriores.

MOVIMENTAÇÃO
A andadura preferida é o trote, que deve ser harmonioso, forte e elegante. Sem tendências de desvios dos membros. Sem passo de camelo.

PELE
Elástica, grossa, de cor rosada, com manchas de pigmentação escura. Todas as mucosas devem ser pretas.

PELAGEM
Densa, grossa e de comprimento moderado. O ideal deve ser de 6 a 9 cm (comprimento médio medido na metade da seção da linha superior). A pelagem é mais longa nos ombros, pescoço, no ventre, na face posterior das coxas, bem como na cauda.
A pelagem deve ser eriçada, não de textura lanosa, exceto na plumagem da cauda cuja textura não é eriçada como nas outras partes do corpo.

COR
A cor básica é branca, sempre com uma máscara bem definida. Às vezes aparecem manchas irregulares nitidamente distribuídas com a mesma cor da máscara. Cães tricolores ou brancos puros são indesejáveis. As orelhas sempre manchadas. A ponta da cauda e as regiões distais dos membros são sempre brancas. Máscaras devem sempre ser claramente definidas. As cores mais almejadas na ordem de preferência são: branco puro (branco-neve), manchas de cinza-médio, amarelo dourado intenso, marrom, preto, cinza-prata, beije claro, areia ou manchas marmorizadas. As manchas vermelhas e a cor básica branco-amarelada são indesejáveis.
TAMANHO
A altura na cernelha varia, nos machos, entre 77 e 81 cm. Nas fêmeas, varia entre 72 e 75 cm.

PESO
Padrão não comenta.

PROPORÇÕES
Moderadas.
• No geral, bem equilibrado e harmonioso. O comprimento do tronco mede pouco mais que sua altura na cernelha.
• Proporção crânio-focinho = 5 : 4.
• Largura do crânio: igual ou ligeiramente maior que o comprimento.
• Proporção da altura na cernelha com perímetro torácico = 7:10.
TEMPERAMENTO/ COMPORTAMENTO
 Este cão de porte intimidante e expressão alerta é, na verdade, um animal afetuoso, dotado com uma nobreza e calma notáveis. Não é, no entanto, um animal passivo. É amistoso com relação aos humanos e lida muito bem com as crianças, mas ao mesmo tempo é corajoso e orgulhoso com relação a estranhos, para os quais jamais dá as costas (não é adverso a presenças estranhas, mas convém que lhe sejam “apresentadas”).

Considerado um excelente cão de guarda, ele é muito inteligente e está sempre atento ao ambiente que o rodeia. Só reage agressivamente em situações que assim o exijam, e seu latido imponente emana das profundezas do seu peito.
No seu comportamento, em relação aos outros cães, é de boa índole e ciente de sua superioridade muscular. Ocasionalmente ele lutará com grande habilidade, uma qualidade atávica que remonta a centenas de anos de lutas com lobos.

Dado o seu robusto porte, convém que os donos deste tipo de cães possuam alguma experiência. Como já foi dito, apesar de não ser um cão agressivo, convém que seja ensinado a estar no seio de uma família e a tolerar bem a presença de pessoas estranhas.
br.viarural.com > animais > raças de cães >

RAÇAS DE CÃES

AGRICULTURA CONSTRUÇÃO E PECUÁRIA NO BRASIL